Os fundadores de Malacacheta foram Cassimiro Gomes Leal, Cassiano Ferreira Terra, Marçal Luiz Pêgo e outros aos quais é atribuído o primeiro contato com os índios malacaxis que habitavam a região onde hoje se encontra a sede municipal.

Esses elementos conseguiram obter a confiança dos silvícolas mediante um trabalho de catequese bem realizado e que resultou na cessão, por parte dos índios, de uma grande faixa de terras, onde se iniciou um povoado.

Isto aconteceu por volta de 1874, quando o novo núcleo, em pleno desenvolvimento, recebeu a visita do Cônego Benício José Ferreira, Vigário da paróquia de Capelinha da Graça. Em homenagem e atribuição a colaboração espontânea recebida dos silvícolas malacaxis, sugeriu aquele sacerdote fosse dada ao lugar a denominação de Santa Rita de Malacacheta.

Iniciou-se a construção de uma capela, que, após concluída, foi entregue à direção do Sr. Luiz Rodrigues da Cruz.

O povoado cresceu rapidamente e em 17 de outubro de 1886, foi fundada a paróquia de Santa Rita de Malacacheta, tendo sido seu primeiro Vigário o Ver.mo Padre Cirilo de Paula Freitas, mais tarde bispo de Corumbá, em Mato Grosso.

Em 14 de setembro de 1891, pela Lei estadual número 2, com a denominação de Malacacheta, foi o povoado elevado à categoria de distrito, subordinado à circunscrição administrativa de Nossa Senhora de Filadélfia, hoje Teófilo Otoni.

O primeiro Juiz de Paz local foi o cidadão Marçal Luiz Pêgo.

O distrito foi elevado à categoria de município em 7 de setembro de 1923, pela Lei Estadual nº 843, composto dos seguintes distritos: Malacacheta, Novilhona, Setubinha e Trindade – atual Jaguaritira. A instalação verificou-se em 14 de setembro de 1924.

A primeira Câmara Municipal, também instalada na mesma data, teve como Presidente o cidadão Juscelino Aarão Ferreira dos Santos e como Vice-Presidente Fulgêncio Fernandes Abrantes.